Pesquisar

ALEGRIAS E TRISTEZAS DE INA VON BINZER / MARIA MORTATTI

No período imperial brasileiro, seja pela falta de escolas adequadas seja por imitação do costume da nobreza europeia, famílias abastadas, principalmente da elite cafeeira, por meio de anúncios de jornal de oferta ou procura, contratavam preceptoras estrangeiras – francesas, inglesas, alemãs – para educação de seus filhos. Foi assim que Ina von Binzer (3.12.1856 – 17.12.1929), a jovem preceptora alemã então com 25 anos de idade chegou ao Brasil, em 1881. Trazia consigo muitas ideias de como seria o novo país e, na bagagem, as 40 cartas pedagógicas de Bormann – manual alemão em cujo método confiava para os momentos difíceis com os alunos, como aprendera em sua formação para o magistério. Foi contratada inicialmente pelo Dr. Rameiro (?), proprietário da Fazenda São Francisco, na província do Rio de Janeiro, onde, por alguns meses, cuidou da educação de sete de seus doze filhos, ensinando-lhes alemão, francês, música, história, geografia, conhecimentos gerais, entre outros. Pediu demissão por recomendação médica – cansada do excesso de trabalho e da rotina desgastante –, retornando em seguida à atividade em liceu feminino na Corte, onde, por três meses, lecionou inglês, francês e piano. Insatisfeita com a vida no Rio de Janeiro e aconselhada pelo cônsul alemão a se mudar para São Paulo, onde havia mais imigrantes alemães, Ina von Binzer foi contratada pelo Dr. Costa (Martinico da Silva Prado), residente na capital paulista, para a educação de seus filhos, uma “sequência histórica” de nomes romanos: Caio, Plínio, Lavínia, Clélia e Cornélia. Devido a um grave acidente urbano que resultou na morte de um cavalo causada pelo mau comportamento das crianças, o pai enviou quatro delas para internato, e Fräulein Ina perdeu o emprego. Foi, então, contratada pelo Sr. Sousa (Bento Aguiar de Barros) proprietário da Fazenda São Sebastião (São Luís, próxima à cidade de Americana), no interior paulista, para a educação de suas três filhas. Depois de viagem à capital para a festa de Natal com os Schaumann, família proprietária da Botica Veado de Outro, e à cidade de Santos, acompanhando a família Souza, Ina von Binzer encontrou George Hall (nome não confirmado), engenheiro inglês e representante industrial, que fiscalizava a montagem de máquinas agrícolas. Apaixonou-se por ele e deixou o Brasil no início de 1884, retornando à Alemanha, onde passou a se dedicar à carreira de escritora e se casou, assumindo o nome Ina Sofie Amalie von Bentivegni.

Entre maio de 1881 e final de janeiro de 1884, Ina von Binzer escreveu 40 cartas endereçadas à amiga alemã Grete e assinadas com o pseudônimo Ulla von Eck. Foram reunidas no livro Lied und Freud einer Erszierherin in Brazilien, publicado em Berlim, Alemanha, em 1857. Em 1956, foi editada no Brasil, pela editora Anhembi, a primeira tradução, por Alice Rossi e Luisita da Gama Cerqueira, com o título Os meus romanos – Alegrias e tristezas de uma educadora alemã no Brasil – inspirado nos nomes dos filhos de Martinico Silva Prado – e prefaciado pelo escritor Paulo Duarte (1899 – 1984). Em 1980, foi publicada outra edição pela Paz e Terra, com acréscimo de apresentação pelo escritor Antônio Callado (1917 – 1997). O livro continua sendo editado, lido e estudado como fonte documental para historiadores da educação, economia, sociedade, política, gastronomia, entre outros. É também uma das fontes documentais que utilizei na pesquisa para a tese de livre-docência de 1997, publicada no livro Os sentidos da alfabetização  São Paulo – 1876/1994 (Editora Unesp, 2000/2021). 

Do prefácio e da apresentação do livro foram extraídas informações para compor a biografia da autora e ilações sobre referências a pessoas e lugares identificadas nas cartas como nomes fictícios, provavelmente porque, conforme regras missivistas do século XIX, as mulheres deveriam ser contidas em seus sentimentos e discretas. Nas palavras de Paulo Duarte, o livro é “um excelente documentário sobre a vida brasileira do século XIX” e uma “excelente obra literária”. Para estudiosos, o livro pode ser classificado como relato de mulheres viajantes ou romance epistolar ou romance de formação. Nas cartas, estão registrados sentimentos, impressões, vivências, reflexões e informações sobre aspectos culturais, sociais e políticos do final do período imperial brasileiro. Pelo olhar de sua rígida formação europeia-germânica, a jovem preceptora descreve e comenta, ora angustiada ora bem-humorada, aspectos, tais como: sua inadaptação inicial à forma de educação das crianças das famílias abastadas e aos costumes culturais e gastronômicos, a falta de civilidade mas também, por vezes, a cordialidade do povo, as belezas naturais e a culinária –, os problemas sociais como a escravidão dos negros, estranhando o modo como eram tratados, mas deixando transparecer certo preconceito, como no trecho em que relata que o Dr. Costa foi buscá-la na estação em uma carruagem europeia – conversavam em francês durante o percurso –, conduzida por uma “cocheiro preto”, escravo obediente Entre suas observações como educadora, registra a inadaptação e desânimo em relação ao “ensino superficial”, reclamava do salário, da indisciplina, impontualidade e barulho dos alunos, constatando que a pedagogia alemã era inadequada e reconhecendo que se devia adotar aqui uma pedagogia brasileira “calcada nos moldes brasileiros e adaptada ao caráter do povo e às condições da vida doméstica”, pois “O nosso Bormann, ou melhor, suas quarenta cartas pedagógicas que não têm aqui a menor utilidade”. Aos poucos, foi se adaptando, mas não esquecia sua terra natal: “Realmente, estou sendo ingrata, pois todos são tão gentis comigo e o país é lindo como um conto de fadas; mas não posso modificar-me e não me sai da cabeça uma canção: ‘É muito belo um país estranho  mas nunca se tornara uma pátria’”. 

Há 140 anos, Ina von Binzer partia do Brasil. Sua última carta a Grete é assinada como Ulla Hall e em nome também de George Hall. A breve experiência brasileira – especialmente com seus rebeldes e indisciplinados “romanos” – proporcionou-lhe tristezas e alegrias no ofício de preceptora, o encontro encontro com seu futuro marido e, sobretudo, a criação da obra de maior repercussão, pelo que se sabe de sua carreira como escritora. O costume das elites de contratação de preceptoras estrangeiras se estendeu ao início do século XX, como representado em Amar, verbo intransitivo (1927), de Mário de Andrade, inspiração para o filme Lição de amor (1975), de Eduardo Escorel. E as alegrias e tristezas da educadora alemã do século XIX perduram como pioneiro registro de sinceras confidências pessoais a iluminar um capítulo de sua e de nossa história.

Maria Mortatti – 04.01.2023